Pesquisar este blog

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

O templo foi preenchido com a glória do Senhor

Ezequiel 43: 1-7ab - Salmos 85: 9ab e 10,11-12,13-14 - Mateus 23: 1-12
Ezequiel tem uma visão do novo Templo - um prenúncio terrestre da Jerusalém celeste. É apenas um prenúncio de algo misterioso e divino, e não um plano real. Isso é visto na diferença entre a visão de Ezequiel e a visão de João: em Apocalipse: Ezequiel vê o novo templo como o coração do Israel restaurado; João vê a Jerusalém celestial sem templo. João escreve: “E não vi templo na cidade, pois o templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso e o Cordeiro” (Apocalipse 21:22). O corpo ressuscitado de Jesus é o Novo Templo do Senhor.
O que Ezequiel está visualizando é "um cenário ideal em que a sociedade é construída em torno da adoração a Deus e os lugares sagrados são salvaguardados da contaminação". Após sua conclusão, a glória do Senhor, que partiu do antigo templo, retorna ao novo templo e habita ali eternamente. Como Deus diz: “Filho do homem, este é o lugar do meu trono e o lugar das plantas dos meus pés, onde habitarei no meio dos filhos de Israel para sempre. E a casa de Israel não mais contaminará o meu santo nome ”(Ezequiel 43: 7).
A aliança que Jesus estabelece é inquebrável. Aqueles que habitam com Deus lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro e nunca mais as contaminarão.
Jesus acusa os escribas e fariseus de hipocrisia e infidelidade. Eles não praticam o que pregam. Em vez de orar, dar esmolas e jejuar em segredo, eles fazem as obras a serem vistas. Em vez de seguirem o caminho da humildade, buscam honras terrenas.
Quando os fariseus e escribas, que estão sentados na cadeira de Moisés, ensinam de acordo com a lei de Deus dada por Moisés, o que eles ensinam deve ser observado. Ao mesmo tempo, compartilhar nossa paixão e morte de Jesus nos dá uma nova lei - a lei da graça. Com Cristo, a antiga lei é cumprida e aperfeiçoada e os apóstolos recebem autoridade para ensinar em nome de Jesus Cristo.
A lei da graça e da caridade nos introduz na liberdade dos filhos de Deus. Como filhos de Deus, nosso modelo é Jesus Cristo, que veio não para ser servido, mas para servir. Jesus nos convida hoje a segui-lo pelo caminho do serviço humilde, um caminho que leva à glória da Jerusalém celestial.

RECOMENDO: Uma Jornada de Evangelismo nas Escrituras: O Templo


Nenhum comentário:

Postar um comentário